Viagem Portugal - Lisboa

Concordo com  o poeta mais português de todos os poetas: "Para viajar basta existir."
E foi exatamente isso que fiz. Peguei minha mochila, o bilhete de ônibus e fui para a Lisboa em excursão com um grupo de amigos da escola que estudava em Madrid.
Foi apenas um final de semana, mas suficiente para trazer ótimas recordações de Lisboa .A viagem foi de 8 horas e pouco, mas tão divertida que passou muito rápida. Atravessamos a fronteira, sem nenhum problema até porque fui me dar conta que estava em Portugal quando  avistei as placas em português.
Chegamos no centro de Lisboa já ao anoitecer e ficamos hospedados no albergue (http://kitschhostel.com/) que é muito escondido, sua entrada é em uma loja de souveniers. Bem alternativo, mas em excelente localizado no centro e aconchegante. Estávamos em um grupo de 30 pessoas, chegamos e já fomos aproveitar as primeiras horas em terras lusas.


O clima estava bem agradável e caminhamos para escolher entre muitos restaurantes tipicamente portugueses. A recepção das pessoas foram sempre muito amáveis e prestativas, diferente aos do país vizinho, que são mais secos. Apesar de estar em Portugal, me confundi muito com a língua pois, estava habituada com o espanhol, e demorou trocar o botão do idioma e me tocar que estava em Portugal...Foi até engraçado, porque muito dos meus amigos que falavam hebraico, islandês  chinês dependiam de mim para fazer seus pedidos, e logo, seria a interprete da galera....mas, me via falando espanhol.


Lisboa, tanto durante o dia quanto a noite é agradável e possui suas particularidades. Encontrei camelôs de castanhas portuguesas, muitas lojas de tecidos, cartazes com apresentações de fado, musicas brasileiras nas vielas como o já esquecido grupo "Só pra contrariar". Pelo centro histórico de Lisboa,  é possível conhecer o elevador de Santa Justa  (ou elevador do Carmo), um mirante onde se tem uma excelente vista da cidade e do grandiosíssimo Tejo. Já pelas vias, circula o tradicional bonde turístico, que nos leva para a parte alta de Lisboa onde se localiza a igreja Santo Antonio de Lisboa, local do batismo de Santo Antonio,  observando seus detalhes na faixada nota-se uma similaridade com a nossa Catedral da Sé. (por que será?!)


Cortando caminho pelas ruelas, é possível chegar até o Castelo de São Jorge, ou tipicamente conhecido como Castelos dos Mouros, uma antiga fortaleza que protegia a cidade; ele é dono da mais rica vista do rio Tejo e da cidade. Muito bem conservado, ainda mantem o antigo painel de azulejo, e suas  imponentes muralhas são vistas desde qualquer ponto da cidade, pois está na parte mais alta. Conta- se a história que em 1755, Lisboa sofreu o maior maremoto, encobrindo praticamente toda a cidade baixa. Vendo-a de cima do mirante, é de se imaginar a proporção do estrago que causou naquela região.

Cascais - Praia do Guincho:
Nesse mesmo dia, fomos com a excursão conhecer a praia do Guincho, situada em Cascais, litoral de Lisboa. Um balneário cheio de pedras e um pouco deserto. A vila fica a 30 minutos de Lisboa e possui uma boa infraestrutura turística na área, mas como não era a temporada de verão na Europa, a água estava bem gelada,  ficamos só apreciando a bela paisagem sentados nas pedras, e observando o pôr do sol, um momento mágico!  Voltei para a cidade super encantada com Lisboa que estava se desnudando pouco a pouco em seus pedacinhos.


Durante a noite, já na cidade, todo o grupo fez uma visita a um um restaurante típico de Lisboa para degustar de um bom vinho e claro a famosa e maravilhosa bacalhoada portuguesa, além de desfrutar da companhia de um ilustre papagaio, do local. Em seguida, aproveitamos para cair na "night". As baladas portuguesas estão localizadas na região de Alcântara.  As Docas de Alcântara são ambientes com muitos bares e discotecas, frequentados por lisboetas e muitos turistas que se divertem às margens do rio Tejo. E como já era de se esperar, encontrei alguns brasileiros trabalhando por lá. 

O dia amanheceu e seguimos para o ultimo roteiro com destino a Belém. É lá que está situado o Monumento aos Descobridores, o Mosteiro dos Jerônimos, a Torre de Belém e os mais autênticos e deliciosos pasteis de Belém. Um calçadão com frases do poeta imortal Fernando Pessoa, decoravam o concreto que margeava o Tejo. 


Enfim, essa foi uma inesquecível viagem circulando pelas famosas e tradicionais terras portuguesas, que me fez sentir um pouco da essência lusitana. Lisboa guarda muitas riquezas de uma cidade moderna mas também antiga. As pessoas que constituem esse cenário são cheias de alegria e simplicidade, além de contar com uma gastronomia pra lá de saborosa. Sim, foram poucos os dias, mas suficientes para deixar saudades e ter a certeza de um regresso! Tour mais que recomendado!Os deixo com um poema clássico do conterrâneo Fernando Pessoa, que nos abre as portas de Lisboa.
"O meu olhar é nítido como um girassol. 
Tenho o costume de andar pelas estradas 
Olhando para a direita e para a esquerda, 
E de vez em quando olhando para trás... 
E o que vejo a cada momento 
É aquilo que nunca antes eu tinha visto, 
E eu sei dar por isso muito bem... 
Sei ter o pasmo comigo 
Que tem uma criança se, ao nascer, 
Reparasse que nascera deveras... 

Sinto-me nascido a cada momento 
Para a eterna novidade do mundo... 
Creio no mundo como num malmequer, 
Porque o vejo. Mas não penso nele 
Porque pensar é não compreender... 
O mundo não se fez para pensarmos nele 
(Pensar é estar doente dos olhos) 
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo. 
Eu não tenho filosofia: tenho sentidos... 
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é, 
Mas porque a amo, e amo-a por isso, 
Porque quem ama nunca sabe o que ama 
Nem sabe porque ama, nem o que é amar... 
Amar é a eterna inocência, 

E a única inocência é não pensar..."

Comentários