Cartas Mensageiras

Depois que li pela manhã a manchete no jornal dizendo: “Greve nos Correios paralisa serviço no país.”; parei para pensar nessa prática que a tempos está extinta: enviar cartas. E lembrei-me quando foi a última vez que escrevi uma.


A carta é considerado um meio de comunicação que atualmente está obsoleto, mas que carrega um ar de nostalgia. No entanto, nesse mundo moderno, as cartas estão sendo substituídas pelos e-mails, mensagens instantâneas e afins desse mundo moderno.

Mudamos a estrutura aprendida na escola sobre uma carta, hoje, o formato é mais sucinto, objetivo e no máximo com 200 caracteres, parecida aos antigos telegramas quando fazia-se necessário economizar nas palavras, posto que eram pagas. Confesso, que era muito bom receber uma carta, abrir o envelope e ler  a mensagem escrita a próprio cunho pelo remetente. Muitas vezes, elas vinham anexadas com fotos, desenhos e flores. Antes era mania das meninas colecionar pastas de papeis de cartas com várias ilustrações para serem trocadas entre elas.

Sabemos que a carta foi uma importante ferramenta de comunicação em séculos passados, desde a época que os romanos dominavam o mundo, e utilizavam os mensageiros para enviar importantes comunicados. Teve papel importante também nas grandes guerras para o envio das mensagens com noticias de alegria ou de pesares. Sem citar na época romântica, dos grandes poetas quando escreviam poemas às suas amadas assinando pelo seus heterônimos. E eram respondidas envolvidas de seus perfumes.


No filme “Cartas para Julieta” reflete a sensação de ler uma carta escrita perdida no tempo, com um destinatário desconhecido. Como já dizia Fernando Pessoa: “Todas as cartas de amor são ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem ridículas.” Em outro filme "Central do Brasil", a atriz Fernanda Montenegro interpreta uma pessoa que trabalha na estação de trem para escrever cartas a analfabetos. Ela ouve e transcreve histórias de muitas pessoas, a maioria migrantes que querem manter laços com seus parentes, enviando noticias, partilhando conquistas e expressando sentimentos, essas inerentes ao homem - a comunicação.

Por isso, em meio a tanta tecnologia ainda gosto de ouvir alguém dizer que recebeu uma carta ou um cartão postal. Acho que deixa a marca registrada da pessoa que escreveu, mesmo não estando perto.

Gostaria que essa prática voltasse, pois o enviar uma carta, envolve o ato de escrever,  o tempo prostrado e debruçada naquela folha em branco. Por mais que seja uma prática ultrapassada, ainda me atreveria a escrever à meus amigos, de vez em quando. Talvez achem estranho, mas isso quebra a rotina e faz um bem!

Comentários